Caso não esteja visualizando corretamente veja aqui.
 
  ANO 16 - EDIÇÃO Nº 779 - PUBLICADA EM 07/02/2019  
     
 

Nota de Esclarecimento

 
 

A propósito dos acontecimentos ocorridos nesta semana envolvendo a FACEB e dirigentes do Sindicato dos Urbanitários (STIU-DF), que  protagonizaram episódio lamentável com a ocupação do Centro de Operações da CEB e ameaças a dirigente desta Fundação, em protesto ao desligamento de alguns colaboradores da Fundação, cabem os seguintes esclarecimentos aos participantes e assistidos.

Importante destacar que a FACEB enfrenta sérias dificuldades financeiras, que exigem medidas firmes e efetivas para o seu saneamento. O Plano de Benefícios Previdenciários que tem o maior número de participantes/assistidos (Plano BD) apresentou em novembro de 2018 déficit acumulado superior a R$ 240 milhões, o que representa 20% do patrimônio de cobertura. Já o Plano de Saúde dos aposentados/pensionistas, que tem 22 meses de existência, obteve superávit em apenas dois meses durante esse período.

Outro ponto a se enfatizar é o elevado custo administrativo da Fundação. Em 2018, esse custo médio mensal foi de R$ 470 mil para uma despesa de R$ 1,3 milhão com o Plano CEB Saúde Vida. Essa despesa corresponde a 33%, se considerado o Plano CEB, ou 16%, relativos às despesas efetivamente realizadas de todos os planos administrados pela Fundação. Destaque-se que o percentual médio para custos administrativos (referência Unidas) é de 9%.

Diante de uma situação financeira tão delicada, várias medidas vêm sendo adotadas desde 2017 em busca do equilíbrio das contas da FACEB, já que está claro que, de parte da patrocinadora, não haverá novos aportes de recursos na Fundação.

A partir de uma análise cuidadosa dos custos operacionais da FACEB, realizada por grupo de trabalho em 2017, concluiu-se que os custos com atendimentos estavam desalinhados em relação ao mercado e muito elevados para a realidade da Fundação. Assim, houve e continua havendo um investimento em tecnologia para adequar essa questão.

Nesse sentido, é importante destacar alguns custos, como por exemplo o de manutenção do Posto de Atendimento do SIA, que correspondeu, em 2018, a R$ 1,881 milhão.

O posto contava com sete funcionários em 2018 para uma demanda média mensal de 120 atendimentos, ou seja, seis atendimentos/dia em média, relativamente aos planos. Diante dessa realidade, foi tomada a decisão de reduzir o quadro, sem prejuízo do público atendido, já que o Posto de Atendimento será mantido para atendimento do pessoal da CEB com um colaborador, o que assegura oito atendimentos diários de uma hora, considerando a jornada de oito horas por dia. Lembrando que os participantes e beneficiários ativos de saúde também podem contar com o atendimento na sede da FACEB, que dispõe de manobrista para a comodidade dos funcionários da CEB  e dos aposentados/pensionistas. E, a partir deste mês, a Fundação dispõe de tecnologia para atendimento 24 horas, por meio do telefone 3233-0800.

A redução do quadro, por outro lado, resultará em uma economia líquida de R$ 1,074 milhão por ano. Importante enfatizar que a medida é parte de um estudo abrangente, que indica tecnicamente ações para viabilizar a FACEB no longo prazo.

Com medidas estruturantes, como o projeto de Estratégias Previdenciais, a FACEB caminhará para ser uma fundação moderna e que prestará aos seus participantes, assistidos e à sua principal patrocinadora um serviço de excelência, com resultados positivos, transparência e, acima de tudo, responsabilidade.